sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Motivos....



Motivos sempre serão motivos, resta ser coerente...

Essa história de motivos - no meu, muito particular, ponto de vista - me dá a sensação da existência de um certo egoísmo, que fica geralmente, camuflado por trás da frase: "eu tenho meus motivos", ou, "cada um tem seus motivos". Ou seja, eu justifico "motivos" afirmando que todos têm "motivos". Soa estranho para mim!! 

Mas nada como "bons" exemplos..... O cara que enfiou uma bomba na cintura e se explodiu com o restante de todas as pessoas que estavam junto dele....tinha seus motivos. Aquela mulher que fez um aborto numa clínica clandestina qualquer, tinha seus motivos... A mãe que abandonou o recém nascido numa caixa de papelão por aí... tinha seus motivos. O pai que bateu violentamente no filho porque descobriu que era homossexual, ou na filha porque descobriu que ela perdeu sua virgindade....ambos, tinham seus motivos. E, o que dizer de um cara que já estuprou algumas mulheres por aí....tinha seus motivos?

É, é pra pensar mesmo!! Sempre bom usar o excesso, o extremo, para explicar aquilo que, por vezes, se torna banal e a gente nem percebe. Claro, que todos possuem motivos, afinal significa "a razão de ser, a causa de qualquer coisa"....então, tudo ou qualquer coisa, pode ser motivo(s). Aí, de novo, motivos são e, sempre serão motivos, resta ser coerente...

Não dá pra ficar achando que motivos, por serem meus, seus, ou deles/delas, estão livres e isentos de julgamentos e classificações. Não preciso ficar usando exemplo com excesso ou exemplo bobo pra mostrar esse (meu) ponto de vista. Mas vamos para mais dois exemplos vai....rs. Imaginem a cena: pessoa passa na frente dos demais na fila com a barriga mais grávida do mundo - motivo check e inquestionável. Outra cena: pessoa passa linda e bela, falando no celular, na frente de todo mundo e diz que vai passar porque está atrasada - motivo inválido (retorne ao final da fila, tipo jogo de tabuleiro...rsrsrs). Sim, meu povo, a gente tem que ter noção!!!

Assim, penso que, a gente pode ter todos e qualquer motivo do mundo, desde que ele seja justificável, esteja no contexto certo, seja realmente um motivo e não uma desculpa ou uma mentira, e, tenha coerência. Com certeza, poucas coisas a "analisar"....kkk.

Nesse sentido, voltando aos "bons" exemplos, mas agora diante do que penso, com meus juízos de valores (MEUS): o cara da bomba, se quer SE explodir, pelo motivo que seja, não tem o direito de matar gente inocente; seus motivos não são e nunca seriam justificáveis. A mulher do aborto, pode ter sido estrupada, pode ter outros filhos e não ter condição financeira para mais um, pode não querer ter filhos, enfim, o corpo é dela e, se estiver no período permitido pela lei, que ela tenha todo suporte psicológico e, faça o que bem entender. A mãe que optou em ter um bebe e, não quer se comprometer com ele, é melhor que desfaça logo esse laço, mas de forma alguma, abandonar uma criança, não há justificativas, exceto diante da droga e/ou falta de lucidez (nesse caso, o suporte deveria ser anterior....). O pai que bateu violentamente no filho porque descobriu que era homossexual, ou na filha porque descobriu que ela perdeu sua virgindade....ambos, tinham seus motivos e, eu claramente não concordo com nenhum e, talvez esses pais não mereçam seus filhos, mas mereçam um julgamento por violência doméstica. Sobre o estupro, nem vou falar né.... só não podemos achar que TODOS que estupram por aí são doentes. Alguns fazem com plena consciência....plena!

Enfim, motivos, motivos e motivos.....use-os com coerência e bom senso!! O "Carlinho", ali embaixo, acha inclusive que a gente devia viver sem motivos....rsrs

A ideia de hoje não era ser compreensível e, sim, como sempre, mais um pensamento insistente compartilhado.....

Boa noite aos meus queridos pensadores e pensadoras de plantão....

Beijinho..... 

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Eu, por mim mesma, falando de Juliana

Começo com a linda da Clarice....


E hoje, vou me atentar aos defeitos, talvez com maior afinco, pois normalmente temos mais indicadores apontados na nossa cara quando erramos e, quando acertamos são pouquíssimos (ou nenhum) polegar levantado!!

Acho que, como todos, as qualidades e defeitos se cruzam, tem hora que qualidade parece defeito e  depois inverte, então não dá para separar muito (no meu caso é nítido...rs). E, acho que (ME d)escrever em terceira pessoa, facilitará....então, para contar a historinha de hoje, convido: minha consciência. Tenham um bom relato.... 

Bom noite gente.... então, vamos lá, apontar o indicador e levantar (ou não) o polegar para a Ju.

Vou começar por um defeitão de cara. Se tem alguém que tem neura com cabelo no chão (misericórdia), é ela!! Caçou tantos cabelos que a filha mais nova pega também e leva para ela jogar no lixo. A (louca) tem uma coisa com limpeza e organização que a bagunça, o excesso de roupa suja, os pelos da cachorra, a cama mal arrumada e louça suja chegam a doer. Certeza que é TOC, daqueles "TÓCÃO" mesmo! Lembro ela todos os dias que isso pode ser perturbador se não tratar. Aí ela me responde: já faço terapia e disfarça!!

E a ansiedade? Ahhhh, essa faz umas firulas na mente e no corpo dela. As vezes eu brigo com ela para ela se comportar e usar com todas as forças o benefício do Yoga que ela estuda, pratica, orienta.... Até que a criatura tem me escutado mais sabe!? Ela melhorou um pouco, mas está bem longe do ideal. Aí se atropela, tenta resolver as coisas para ontem, fica com dor de cabeça, a coluna grita. Não a culpo, pois o pai fuma até o dedo de ansiedade e, a mãe compra na loja hoje algo que vamos pensar ainda em comprar (mas, eles não admitem, ambos dizem ser tranquilos....ilusão!). A ansiedade na família dela é genético! Uns assumem, outros (todos) não....kk.

Faz alguma coisa errada perto dela.... Faz algo que não deveria... Mente.... A filha da mãe tem um senso de justiça ferrado e "zoado". Mas, eu e a terapeuta dela, a orientamos com frequência para que não se frustre e, nem brigue demais para não parecer antipática e, reforçar esse apelido (mental) que ela ganhou de "chata". Eu já disse a ela: numa sociedade em que ser espert@, anti étic@ e folgad@ recebem aplausos, o senso de justiça não tem força e te coloca na linha de frente pra tomar na cara! Quando (mas bem raramente) ela me ouve, escapa dos tapas....

Exagero dramático já ouviram falar? Cara....nessa parte ela é filha do pai dela mesmo. Pior é que ela vê ele, detecta o erro e não corrige nela. Tudo cai no exagero (PRATICAMENTE TUDO) e, as vezes vem com umas pitadas de drama. Sofre por antecedência sabe!? O negócio nem rolou e já está achando algum ponto ruim. Além disso, chorona! Caramba, como chora (e olha que melhorou!). Chora mais em casa, porque já percebeu que esse "apelido"de chorona não pega bem também. Chata dramática então....E, exageradamente chata? E, quem sabe, a chata que chora demais?....rs

Já falei pra ela que ela sofre de "encasquetamento", sabe? Não? Vou explicar! É tipo quando você enfia uma coisa na cabeça e não tira (mesmo que lhe provem o contrário). O que ela mais "encasqueta" é achar que as pessoas estão contra ela, falando mal.... não que não estejam, podem até estar fazendo isso (e fazem, eu e ela sabemos!). Mas, eu oriento tanto ela a dizer: já cuidou do seu umbigo hoje? Tenho certeza que se ela cuidar do umbigo dela, mandar qualquer bicudo cuidar do seu e, parar de se incomodar com o que os outros pensam, vai diminuir essa "encasquetação"....rsrsrsrs

Agora vamos para uma qualidade....hum, espera...acho que não! Transparência é qualidade? E, falar na cara? E, fazer careta? Bom, acho que depende da situação. Tem gente que gosta de transparência e que as coisas sejam ditas e tem gente que não. Para uns defeito, para outros qualidade. Normalmente, saindo da boca desbocada dela é defeito, já que ela veio sem trava línguas de fábrica. As vezes não fala, mas estampa na cara, na frieza e na secura. Entendeu? Ou tem que desenhar?

Ruindade se enquadra na categoria de defeito extremo né? Então ela representa na categoria. Como ela é ruim! Do tipo...não pisa no calo e em nenhuma outra parte do pé! Orgulhosa até o talo....ah não, um pouco menos. Outras pessoas no universo são até o talo, ela está umas risquinhas abaixo na medida. Mas, sim, é orgulhosa. Já aprendeu a pedir desculpas (às vezes), a se explicar porque fala demais (às vezes) e, a tentar se colocar no lugar de quem vai ouvir (às vezes). Mas, se juntar a "encasquetação" com a ruindade meus amig@s....podem esquecer! Lavar roupa suja é para poucos e para ela uma especialidade, ela encasqueta mesmo, não gosta de deixar para lá....gosta de esclarecer, ou, "desencasquetar"....kk

Pontualidade. Sabe aquela comparação com pontualidade britânica? Ela! Acho que essa parte até entra no bloco das qualidades, mas o que não entra é que não tolera atraso dos outros. INTOLERANTE mesmo. Como ela chega no horário, cumpre os horários, morre por dentro ao ter que ir ao médico, por exemplo, onde acontece o exagero mais clássico da falta de pontualidade. Mas, vou concordar que isso nem é um defeitão!

Raçuda! Bom, nem sei se existe essa palavra, mas se o corretor não grifou de vermelho....rs. Acho que nem vou falar muito de qualidades, pois posso encaixar tudo aqui. Essa palavra resume bem! Sabe gente que se importa, que vai atrás, que não gosta muito de morrer na zona de conforto, que luta e vira cambalhotas, faz mortais e piruetas para conseguir o que quer? Ela! O fato de ser metódica facilita isso. Ruim para alguns, bom para ela e para as coisas que almeja. Rotina estabelecida, planos anotados, olha pra frente, vai e faz.

Sabe, a Ju conversa muito comigo. É muito questionadora. Sofre com excesso de pensamentos. Fala pelos cotovelos e, se por algum motivo se abstém da fala sente dores nas costas e um vazio no peito. É comunicativa e, é normal que tenha a dependência de expor o que pensa. Mas, ela apanha também de si mesma. A terapeuta sempre diz a ela que ela é espartana demais consigo mesma. Que se cobra muito e, isso é bom até um ponto, depois vira exagero, vira dor! Eu falo com ela sempre, dialogo na medida do possível, às vezes estou leve na mente dela, às vezes pesada demais. Eu também causo dores na coluna dela. Mas, porque ela faz as escolhas e não eu. Bom, eu sou amiga e companheira dela e, sei que ela é capaz de aceitar críticas, mais até do que pensam. Parece que tem um coração peludo, mas não é bem assim, lá no fundo o coração tá depilado...rs.

Agora eu: não, não é fácil ser eu e, também não é fácil me aguentar. Tenho defeitos e qualidades, como qualquer ser humano. Quem ler e me conhecer vai concordar com quase tudo e, na realidade acho que é bem pior do que a forma que está escrito aqui. Mas, a vida tem me ensinado a reconhecer, tanto os defeitos, quanto as qualidades; tenho aprendido com as alegrias, as tristezas e as chatices que, ser humilde é, reconhecer aquilo que se é! Então, minha dica: antes de tentar mudar/melhorar aquilo que pode ser defeito, ter a humildade de reconhecê-lo.
   
Boa noite aos pensadores e pensadoras de plantão....vem "nimim" madrugada, tô precisando dormir....rsrsrsrs.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...